Mídia Programática não é o fim para os portais. Muito pelo contrário.

A mídia programática beneficia tanto anunciantes como publishers. Por isso, não deve ser vista como o fim, mas sim fonte de grandes oportunidades.

navegg-midia-programatica

Com tantos acessos, portais, internautas, campanhas e empresas envolvidas no ecossistema de mídia online, foi preciso criar uma modalidade de venda com tecnologia aplicada, automatizada e que conseguisse realizar grandes quantidades de transações. Assim, surgiu a mídia programática. Com ela, o processo fica mais rápido, padronizado, as negociações acontecem diretamente entre compradores e vendedores ou por meio de leilão em tempo real e é possível segmentar a audiência atingindo a pessoa certa, na hora certa e com a abordagem certa.

 

A explicação para a mídia programática fazer tanto sucesso é que consegue trazer benefícios para ambos os lados da negociação: anunciantes e publishers. Os primeiros não precisam ficar presos apenas a  estudos demográficos para estimar o alcance do público alvo, podem realizar as segmentações de audiência pois tem à disposição muitas outras características. Logo, tornam suas campanhas mais assertivas e não gastam impressões com audiência não qualificada.

 

Já os publishers têm sido o grupo mais receoso em adotar essa tecnologia, mas há vários benefícios e oportunidades que a mídia programática oferece:

  • Vender em larga escala.
  • Vender o inventário remanescente por um valor maior do que o que conseguiria via negociação tradicional, já que terá segmentação envolvida.
  • Construir relacionamento com os anunciantes pois poderá oferecer negociações exclusivas para alguns deles e provar com dados quão eficiente uma campanha é.
  • Oferecer as segmentações e a modalidade de compra tão procurada pelos anunciantes.
  • Aumentar o alcance e a penetração de mercado.
  • Agilidade nas negociações.
  • Controlar a que preço o seu inventário será vendido e definir lances mínimos.
  • Oferecer lookalike.
  • Vender audiência ao invés de impressões/cliques.

 

O segmento de display programático é o que mais cresce no mercado ­ muito mais que search, por exemplo. O eMarketer estima que o mercado de mídia programática brasileiro faturou 72 milhões de reais em 2014 e irá dobrar de tamanho ano após ano, até atingir 280 milhões de reais/ano em 2017. Esses números levam a crer que essa modalidade não é apenas uma moda mas sim parte de um processo de evolução digital que veio para ficar.

Leia também

Conhecendo os dados Navegg

Observados, inferidos ou comportamentais, os dados Navegg ajudam empresas de todos os tipos e portes a segmentar suas ações e conhecer sua audiência.

Sobre a Lei de Proteção de Dados

Não é de hoje que a Lei de Proteção de Dados é assunto nos portais de notícia. O projeto está tramitando há seis anos [...]

2017 Gartner Hype Cycle for Digital Marketing & Advertising

Como já é tradição, vamos analisar a edição de 2017 Gartner Hype Cycle – a consultoria americana de tecnologia dedicada a analisar vários setores [...]